Criamos um algoritmo que traduz a lista de ingredientes e a tabela nutricional do produto em uma nota de 0 a 100, indicando quais são as melhores opções. Ou seja, quanto maior a nota, melhor será o produto.

Em linhas gerais, o algoritmo considera os seguintes critérios:

1. Guia Alimentar para a População Brasileira

Para nós, uma alimentação saudável segue as diretrizes do Guia Alimentar para a População Brasileira (2014) do Ministério da Saúde, o qual recomenda uma alimentação baseada em alimentos in natura e minimamente processados, o consumo com moderação de alimentos processados e que se evite o consumo de alimentos ultraprocessados.

2. Clean Label

O clean label é um conceito novo que está chegando ao mercado. Consiste em produtos com ingredientes que o consumidor reconhece, ou seja, com menos aditivos alimentares e substâncias alimentícias.

Os aditivos ainda são classificados de acordo com o seu grau de risco, utilizando como referências as seguintes organizações:

3. Nutrientes

Utilizamos como referência a nova proposta de rotulagem em análise na Anvisa. São considerados os nutrientes mais críticos, tais como sódio, açúcares e gorduras trans.

4. Orgânicos

Consideramos os produtos que possuem o Selo Orgânico Brasil do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (SisOrg).

Encontrou sua resposta?