Para nós, uma alimentação saudável segue as diretrizes do Guia Alimentar para a População Brasileira (2014), chancelado pelo Ministério da Saúde, o qual recomenda uma alimentação baseada em alimentos in natura e minimamente processados, o consumo com moderação de alimentos processados e que se evite o consumo de alimentos ultraprocessados. Além disso, nos preocupamos com a quantidade de gordura trans, açúcar e sódio nos produtos alimentícios. 

Por isso, criamos um algoritmo que avalia a lista de ingredientes e a tabela nutricional, traduzindo esta visão em uma nota de 0 a 100. Ou seja, quanto mais próximo a 100, menos processado e com menores quantidades de gordura trans, açúcar e sódio será o produto. Em linhas gerais, o algoritmo funciona da seguinte forma:

  1. Utilizamos a classificação NOVA para definir se o produto é minimamente processado, processado ou ultraprocessado.
  2. Após, fazemos descontos para cada um dos seguintes ingredientes encontrados: aditivos alimentares (não cosmético, cosmético, aditivo controverso), substância alimentícia, ingrediente processado, ingrediente ultraprocessado, açúcar e gordura trans. Os pesos de cada desconto variam de acordo com o tipo de ingrediente.  
  3. Depois, fazemos descontos de acordo com a quantidade de sódio e/ou gordura trans do produto.
  4. Por último, também fazemos algumas pontuações positivas, ou seja, acréscimos na nota. Isto ocorre quando o produto é orgânico, possui boa quantidade de fibras (para algumas categorias), grãos integrais (para algumas categorias) e cacau (para algumas categorias).

Para saber mais sobre o Food Score do Desrotulando, assista a esse vídeo no nosso Instagram TV.

Encontrou sua resposta?